Chapadão do Sul, 12 de Dezembro de 2018

Cadastre-se Envie sua notícia JNT Digital Busca no site

Jovem Sul News

Você está em: Página Inicial Policia

Oito PMs envolvidos na Oiketicus são julgados nesta quinta-feira

Oito PMs envolvidos na Oiketicus são julgados nesta quinta-feira

Os acusados foram investigados por integrar 'Máfia dos Cigarreiros'

16:19 | 6 dezembro 2018
 

Oito denunciados pelo Gaeco (Grupo de Atuação de Combate ao Crime Organizado) na Operação Oiketicus começaram a ser julgados nesta quinta-feira (6), no Fórum de Campo Grande. Eles são praças da polícia militar e foram investigados por garantir a livre movimentação da chamada “Máfia do Cigarreiros” em MS.

Os acusados que passaram pelo júri nesta quarta-feira são: Elvio Barbosa Romeiro, Jhondnei Aguilera, Valdson Gomes de Pinho, Ivan Edemilson Cabanhe, Lisberto Sebastião de Lima, Erick dos Santos Ossuna, Nazário da Silva e Angelucio Recalde Paniagua.

A Oiketicus começou, inicialmente com um processo e posteriormente foi divido em quatro. Ao longo das investigações, o processo foi desmembrado em mais partes para ajudar nas investigações e na celeridade.

Os oitos acusados estão sendo julgados pois nas investigações não haviam mais pendências, pois estavam avançadas e não havia necessidade de haver mais adiamento. Eles responderão por organização criminosa, violação de sigilo funcional e corrupção passiva.

Os próximos julgamentos estão marcados para o dia 10 de dezembro, quando três oficiais serão julgados; No dia 13, quando mais cinco denunciados serão julgados; No dia 17 será a vez de Ricardo Campos de Figueiredo e Aparecido Cristiano Filho e no dia 18, o sargento Ricardo passará por outro julgamento onde responderá por organização criminosa.

Máfia dos cigarreiros

Em abril de 2017, a corregedoria da Polícia Militar denunciou sobre determinada “rede de policiais militares, maioria da fronteira, envolvidos em crime de corrupção e organização criminosa“. A situação foi confirmada pelos promotores que verificaram a associação de militares, de diferentes patentes e regiões do Estado, para facilitar o contrabando.

Segundo investigação, os policiais recebiam dinheiro em troca de facilitação, inclusive ao prestarem informações aos contrabandistas. Em algumas situações, as fiscalizações sequer eram feitas e as cargas de cigarro contrabandeado “passavam batido”.

Operação

A megaoperação contou com a participação de cerca 125 policiais militares e nove promotores de Justiça. Os mandados tiveram como alvo residências e locais de trabalhos dos investigados, distribuídos nos municípios de Campo Grande, Dourados, Jardim, Bela Vista, Bonito, Naviraí, Maracaju, Três Lagoas, Brasilândia, Mundo Novo, Nova Andradina, Boqueirão, Japorã, Guia Lopes, Ponta Porã e Corumbá.

Todas as cidades fazem parte da chamada ‘rota cigarreira’, que integra rodovias, estradas e cabriteiras usadas para transportar cigarros produzidos no Paraguai e vendidos ilegalmente nas ruas de cidades brasileiras a preços bem menores que os oficiais, por não pagar impostos.

Dentre os policiais militares presos, estão praças e oficiais. Após a realização dos procedimentos de praxe e eventuais lavraturas de autos de prisão em flagrante pela Corregedoria da Polícia Militar, serão encaminhados ao presídio militar de Campo Grande.

Patrimônio duvidoso

O caso mais gritante apontado pelos promotores foi de um cabo da PM lotado no 12º Batalhão de Naviraí que, segundo informações do Gaeco, recebia aproximadamente R$ 3 mil por semana, incompatível com o salário recebido pelos PMs, de R$ 4,4 mil.

O cabo, conforme apurado durante investigação, somava um patrimônio de R$ 7 milhões, valor muito maior que seu salário permitiria juntar. Entretanto, o policial utilizava uma concessionaria de carros como fachada para justifica o dinheiro percebido. Para Gaeco, a garagem servia para lavagem de dinheiro.

Fonte: midiamax

Postado em: 16:19 | 6 dezembro 2018
 
É permitida a reprodução ou divulgação, em outros órgãos de comunicação, de notícias ou artigos publicados nesta website, desde que expressamente citada a fonte, ficando aquele que desatender a esta determinação sujeito às sanções previstas na Lei nº 5.259/1967 (Lei de Imprensa) feed
Jovem Sul Comunicações LTDA | Rua Quinze, Nº 537 | Centro | CEP 79560-000 | Chapadão do Sul (MS)
(67) 3562-2500 (67) 9 9967-0034 | CNPJ 03.719.704/0001-07
Desenvolvido por: Mais Empresas | Angeli Comunicações