Chapadão do Sul, 21 de Agosto de 2018

Cadastre-se Envie sua notícia JNT Digital Busca no site

Jovem Sul News

Você está em: Página Inicial Policia

Em MS, PF mira traficantes que lavavam dinheiro com doleiro da Lava Jato

Em MS, PF mira traficantes que lavavam dinheiro com doleiro da Lava Jato

Operação Efeito Dominó acontece nesta terça-feira em mais seis estados

9:43 | 15 maio 2018
 

A Polícia Federal de Curitiba (PR) deflagrou nesta manhã a Operação Efeito Dominó, desdobramento da Operação Espectrum realizada no ano passado, que desarticulou quadrilha do tráfico de internacional de drogas e lavagem de dinheiro chefiada por Luiz Carlos da Rocha, o Cabeça Branca, um dos maiores fornecedores de entorpecentes da América do Sul.

A ação mira alvos em Campo Grande e Dourados, onde deve haver prisões, além de Amambai, bem como em outras oito cidades nos estados do Rio de Janeiro, Pernambuco, Ceará, Paraíba, Distrito Federal e São Paulo. Ao todo, 90 policiais cumprem 18 mandados de busca e apreensão, cinco de prisão preventiva e três de prisão temporária.

Segundo nota divulgada pela PF, durante a investigação foi possível identificar uma complexa e organizada estrutura destinada à lavagem de recursos provenientes do tráfico internacional de entorpecentes. De um lado, “clientes doleiros” tinham a necessidade de grande volume de reais em espécie para o pagamento de propinas e de outro, traficantes internacionais como Cabeça Branca tinham disponibilidade de recursos em moeda nacional e necessitavam de dólares para efetuar as transações com fornecedores de cocaína.

Dentro das estruturas investigadas neste caso, verificou-se a atuação concreta e direta de dois operadores financeiros (doleiros) já conhecidos de operações anteriores da Polícia Federal – Operação Farol da Colina (Caso Banestado) e Operação Lava Jato. Ambos foram alvos de tais investigações pelas práticas dos mesmos crimes ora investigados.

Quanto ao operador financeiro já investigado na Lava Jato, chama atenção o fato de ter retornando às suas atividades ilegais mesmo tendo firmado acordo de colaboração premiada com a Procuradoria Geral da República (PGR), posteriormente homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A PGR e o STF serão comunicados sobre a prisão do réu para avaliação quanto à quebra do acordo firmado.

O trabalho tem o objetivo de reunir informações complementares da prática dos crimes de lavagem de dinheiro, contra o Sistema Financeiro Nacional, organização criminosa e associação para o tráfico internacional de entorpecentes.

A denominação “Efeito Dominó” é uma alusão ao fato de existir um efeito em cascata no tráfico pois, por se tratar de crime que visa lucro, o dinheiro ilícito amealhado, especialmente no grande volume identificado nesta operação, necessita de forte estrutura de lavagem de dinheiro, consistente na movimentação de recursos em espécie no país com a intervenção de operadores financeiros.

A referência também se baseia na identificação dos procedimentos sobrepostos de lavagem de dinheiro identificados, sempre com o objetivo de ocultar a origem e o real beneficiário dos recursos provenientes do tráfico internacional de drogas. Os presos serão conduzidos à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde permanecerão à disposição da Justiça Federal.

Fonte: correiodoestado / ps

Postado em: 9:43 | 15 maio 2018
 
É permitida a reprodução ou divulgação, em outros órgãos de comunicação, de notícias ou artigos publicados nesta website, desde que expressamente citada a fonte, ficando aquele que desatender a esta determinação sujeito às sanções previstas na Lei nº 5.259/1967 (Lei de Imprensa) feed
Jovem Sul Comunicações LTDA | Rua Quinze, Nº 537 | Centro | CEP 79560-000 | Chapadão do Sul (MS)
(67) 3562-2500 (67) 9 9967-0034 | CNPJ 03.719.704/0001-07
Desenvolvido por: Mais Empresas | Angeli Comunicações