Chapadão do Sul, 21 de Novembro de 2017

Cadastre-se Envie sua notícia JNT Digital Busca no site

Jovem Sul News

Você está em: Página Inicial Economia

Sem-terra transformam a BR-262 em ‘rodovia dos acampamentos’

Sem-terra transformam a BR-262 em ‘rodovia dos acampamentos’

9:11 | 17 julho 2017
 

Quem sai de Campo Grande sentido Aquidauana pela BR-262, estrada que é caminho para os municípios pantaneiros, notou o crescimento às margens da rodovia de acampamentos de sem-terra espalhados, principalmente em dois pontos: na região de Terenos, na altura do km 407, e no entorno do trevo de acesso a Dois Irmãos do Buriti. É possível ver barracos prontos, outros em formação e o movimento frequente de veículos, alguns ocupando o acostamento.

Ao todo, cinco movimentos representantes dos sem-terra são responsáveis pelos acampamentos, montados por variados motivos, seja como forma de protesto ou até com suposta autorização do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária). “As pessoas podem ter certeza, a BR-262 vai ser a rodovia dos acampamentos”, define Rosana Correia, 40 anos, umas das líderes da MAF (Movimento Sul-Mato-Grossense da Agricultura Familiar), com acampamento em Terenos.

A situação que mais chama atenção é em Dois Irmãos do Buriti. Desde o dia 8 de junho, barracas vêm sendo montadas às margens não só da BR-262 como na via de acesso à cidade, ao longo de aproximadamente 21 quilômetros de extensão. Bandeiras demarcam a que entidade pertence o acampamento erguido. O Campo Grande News identificou pelo menos três: Movimento Novo, MCLRA (Movimento Camponês de Luta pela Reforma Agrária) e o mais famoso deles, o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra).

Na tarde deste sábado (15), a reportagem contou ao menos 23 barracos na BR-262, do lado da pista sentido Capital, demarcada com a bandeira do MCLRA, muitos deles incompletos, somente com a armação construída e ainda não cobertos.

A recepção dos acampados é com desconfiança. Um grupo que se identifica como liderança da entidade se recusa a falar com a reportagem. “Não tem o que dizer nesse momento. Não é a hora. A gente não quer se posicionar. Quando for preciso procuraremos o seu jornal”, disse um homem idoso, que se recusa a dar o nome.

Por todo o trecho de responsabilidade do MCLRA, os líderes seguiram a reportagem de carro e evitaram que houvesse o contato com os lavradores.

Chegando à rotatória, a tradicional bandeira vermelha indica que o trecho agora é de responsabilidade do MST. Léa Boas, 41 anos, é a incumbida de ser entrevistada. E explica: são cerca de 150 famílias atualmente, em um espaço que calculam ter capacidade até para 300.

“É um acampamento aberto, quem quiser só aparecer e ajudar a construir ou finalizar (seu barraco)”, disse a líder. Ela afira que, por enquanto, quase todos os ocupantes são ex-funcionários de fazendas da região que se engajaram no movimento nos últimos anos. É possível ver animais, de galinhas a porcos e bovinos, além dos bichos domésticos.

MST acampado às margens do acesso a Dois Irmãos do Buriti: 120 famílias em apenas uma semana no local.

No trecho do MST, a situação é mais estabelecida: há mais barracos, prontos ou em construção. Aproveitando o final de semana, muitos dos novos moradores, avessos à entrevistas, descarregavam utensílios domésticos ou material para cobrir as estruturas pré-moldadas de madeira, o alicerce.

As moradias são humildes e a estrutura segue o padrão habitual de outros acampamentos do MST. Por ser novo, ainda será erguida a sede do acampamento, não nomeado. Tudo é improvisado, como banheiro e alimentos, entre os moradores.

“Viemos para ficar”, garantiu Léa, revelando que a principal motivação é política, protestar contra o governo do presidente Michel Temer (PMDB). “Precisamos chamar a atenção para a nossa causa em um momento de decisões prejudiciais ao trabalhador que são decididas em Brasília.”

Por enquanto, o clima é de tranqüilidade, garantiu a líder camponesa. “Os seguranças das fazendas estão nos tratando bem. Vamos ver até quando”, refletiu.

Fonte: Campo Grande News

Jovemsulnews/Evelyn Vital

Postado em: 9:11 | 17 julho 2017
 
É permitida a reprodução ou divulgação, em outros órgãos de comunicação, de notícias ou artigos publicados nesta website, desde que expressamente citada a fonte, ficando aquele que desatender a esta determinação sujeito às sanções previstas na Lei nº 5.259/1967 (Lei de Imprensa) feed
Jovem Sul Comunicações LTDA | Rua Quinze, Nº 537 | Centro | CEP 79560-000 | Chapadão do Sul (MS)
(67) 3562-2500 (67) 9 9967-0034 | CNPJ 03.719.704/0001-07
Desenvolvido por: Mais Empresas | Angeli Comunicações