Chapadão do Sul, 05 de Dezembro de 2019

Cadastre-se Envie sua notícia JNT Digital Busca no site

Jovem Sul News

Você está em: Página Inicial Economia

Preço da carne não vai voltar ao que era antes, diz ministra

Preço da carne não vai voltar ao que era antes, diz ministra

Alta nas exportações para China e congelamento dos preços nos últimos anos influenciaram aumento

16:23 | 29 novembro 2019
 

Alta nas exportações para China e congelamento dos preços nos últimos anos influenciaram aumento

A arroba do boi gordo acumula 30% de aumento nos últimos 30 dias em Mato Grosso do Sul e segundo a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, não vai mais voltar ao patamar anterior. Isso significa que os consumidores já devem se preparar para gastar mais com o churrasco daqui em diante.

Em entrevista ao Estado de S. Paulo, ela explicou que a alta foi influenciada pelas altas nas exportações de carne para a China e pela falta de reajuste nos últimos três anos.

Contudo, em transmissão pela internet, o presidente Jair Bolsonaro contradisse a ministra e garantiu que os preços do produto voltem a se normalizar em três ou quatro meses.

“Não é papel do ministério intervir nas relações de mercado. Os preços são regidos pela oferta e procura. Neste momento, o mercado está sinalizando que os preços da carne bovina, que estavam deprimidos, mudaram de patamar”, afirmou, em nota o Ministério da Agricultura.

Os dados do aumento na arroba divulgados acima foram repassados pela Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul). A arroba da vaca, segundo a entidade, subiu 32% desde o dia 28 de outubro.

Durante a inauguração do complexo industrial de processamento e refino de soja da Coamo, em Dourados na segunda-feira (25), Tereza declarou que em caso de desabastecimento da carne bovina no País, o Brasil poderia importar o produto.

Para o presidente da Associação de Matadouros, Frigoríficos e Distribuidores de Carne (Assocarnes-MS), Sérgio Capuci, a formação do preço da arroba está tanto ligada à falta de animais no País quanto à exportação para a China.

“Se a gente for calcular os impactos na formação do preço da arroba e consequentemente do aumento da carne para o consumidor, a exportação para a China representaria uns 30%. Os outros 70% por causa da baixa oferta de animais principalmente por causa do período de estiagem”, explicou também durante o evento.

Fonte:Correiodoestado

Postado em: 16:23 | 29 novembro 2019
 

É permitida a reprodução ou divulgação, em outros órgãos de comunicação, de notícias ou artigos publicados nesta website, desde que expressamente citada a fonte, ficando aquele que desatender a esta determinação sujeito às sanções previstas na Lei nº 5.259/1967 (Lei de Imprensa) feed
Jovem Sul Comunicações LTDA | Rua Quinze, Nº 537 | Centro | CEP 79560-000 | Chapadão do Sul (MS)
(67) 3562-2500 (67) 9 9967-0034 | CNPJ 03.719.704/0001-07
Desenvolvido por: Mais Empresas | Angeli Comunicações