Chapadão do Sul, 23 de Outubro de 2018

Cadastre-se Envie sua notícia JNT Digital Busca no site

Jovem Sul News

Você está em: Página Inicial Colunistas

A volta do PT poderia representar o caos, inclusive para seus militantes

A volta do PT poderia representar o caos, inclusive para seus militantes

8:29 | 26 setembro 2018
 

Por Juliano Oliveira, publicado pelo Instituto Liberal

Inicio este texto com um alerta: é impossível manter um Estado de Bem Estar social num país pobre e contrário ao empreendedorismo.

As motivações dos eleitores de Fernando Haddad são, com poucas variações, quase sempre as mesmas. Todos, ignorando exemplos claros da destruição perpetrada pela confiança na suposta clarividência estatal, acreditam que um forte Estado de Bem Estar Social seria capaz de promover o fim de toda desigualdade (ainda que prosperidade e igualitarismo, como bem sabem os liberais, não possuam qualquer correlação) e que diversidades de toda sorte (leia-se bacanal) teriam seus assentos carimbados nas universidades, igrejas e locais públicos e/ou privados sob o risco, diante de objeções ainda que discretas, de se promover grande perseguição aos propagadores das ideias ditas conservadoras e liberais.

Enfrentamos longos 14 anos de petismo. O saldo dos discursos populistas e do relativismo moral propalado em nossas universidades pelos defensores de movimentos ditos sociais durante este período pode ser facilmente sentido pelo sentimento de impotência e de desalento da parcela da população que é “convidada” a pagar a fatura do discurso da preguiça, da inveja e da irresponsabilidade. No momento em que escrevo este texto, sites de extrema esquerda (que visitei depois de muito relutar), confiantes de que possuem um poder de influência decisivo nas escolhas de pessoas mais simples, estão comemorando um possível retorno do PT ao poder. Militantes travestidos de professores estão, por meio de suas elucubrações sobre coletivismo e igualitarismo, defendendo o ressurgimento do partido que tomou de assalto as nossas instituições, têm achincalhado o judiciário e reunido todas as suas estratégias sórdidas em torno da desconstrução do único candidato que, embora não seja o sonho dos liberais que defendem um Estado Mínimo, tem grandes chances de vencer este pleito (razão pela qual insisto que Bolsonaro é a resposta certa para essa situação de urgência).

O PT, sob a batuta de seu líder já encarcerado, é um partido cuja habilidade de explorar o pior dos sentimentos que o ser humano possui, a inveja, não deve ser desprezada. A inveja sobre a riqueza alheia e, a um só tempo, o desprezo por instituições de mercado que são capazes de elevar até o mais simples dos homens a uma posição de evidência são as principais matérias-primas que têm dado sustentabilidade a anos de demagogia e destruição petistas. Não se deve desprezar, igualmente, todo o esforço de teóricos e professores universitários que, presos na bolha do funcionalismo público, não se cansam de teorizar sobre as causas do desemprego e as mazelas da população mais carente e explorável da sociedade. Em seus discursos ressaltam que a crise que atravessamos, que ganhou contornos ainda mais assustadores com a greve dos caminhoneiros (greve a que me opus e que tem sido utilizada pelo pessoal da esquerda para reforçar que a crise que vivemos é de responsabilidade de uma elite que não suportou a legitimidade do governo Dilma, ressalte-se), foi criada pelo neoliberalismo. Estes intelectuais colocam num mesmo pacote Marina Silva, Alckmin, Jair Bolsonaro e Amoedo e dizem que todos são representantes do neoliberalismo de mercado (que absurdo!!) e que apenas com Haddad veríamos o crescimento econômico.

O efeito retórico do PT sobre os invejosos que veem luta classista em tudo, pode ser muito bem explicado por este pequeno fragmento de um dos textos de Jeffrey Tucker, um dos grandes nomes da Escola Austríaca de Economia:

A inveja observa a excelência de terceiros e prontamente deseja acabar com ela. A inveja vê a fortuna de outro e imediatamente quer puni-la. A inveja é ativamente destruidora, e vê na destruição do sucesso alheio um fim em si mesmo. A consumação da inveja não traz felicidade para a pessoa que quer prejudicar terceiros; a inveja meramente alcança o objetivo de satisfazer a raiva que você sente ao ver a felicidade de terceiros. A inveja corrói. Destrói. Prejudica. Estraga. Machuca. Mata. Começa com um ressentimento contra as conquistas alheias e termina na agressão pessoal direta.

Quando se analisa a inveja que deseja o fim da riqueza alheia (ainda que construída a duras penas, diferentemente da riqueza erigida por Lula e seus empresários favoritos) e a busca constante por um pantagruélico Estado de Bem Estar Social que satisfaça este sentimento nefasto, entende-se porque o Brasil tem sérias dificuldades de abandonar seu estado já moribundo.

A triste notícia, no entanto, não se destina apenas aos empresários e trabalhadores da iniciativa privada que, apesar da forte intromissão estatal, continuam gerando riquezas para dar sustentação ao modelo progressista de pensamento. Ela se destina também aos recebedores líquidos de benesses que, inevitavelmente, verão suas fontes secarem quando o Brain Drain se intensificar e o esfriamento da economia se consolidar.

Para finalizar, a provocativa fala de Roberto Campos: Sou chamado a responder rotineiramente à pergunta: haverá saída para o Brasil? Respondo dizendo que há três: o aeroporto do Galeão, o de Cumbica e o liberalismo.

Sobre o autor: Juliano Oliveira é administrador de empresas, professor e palestrante. Especialista e Mestre em Engenharia de Produção, é estudioso das teorias sobre liberalismo econômico.

Postado em: 8:29 | 26 setembro 2018
 
É permitida a reprodução ou divulgação, em outros órgãos de comunicação, de notícias ou artigos publicados nesta website, desde que expressamente citada a fonte, ficando aquele que desatender a esta determinação sujeito às sanções previstas na Lei nº 5.259/1967 (Lei de Imprensa) feed
Jovem Sul Comunicações LTDA | Rua Quinze, Nº 537 | Centro | CEP 79560-000 | Chapadão do Sul (MS)
(67) 3562-2500 (67) 9 9967-0034 | CNPJ 03.719.704/0001-07
Desenvolvido por: Mais Empresas | Angeli Comunicações