Chapadão do Sul, 18 de Junho de 2019

Cadastre-se Envie sua notícia JNT Digital Busca no site

Jovem Sul News

Você está em: Página Inicial Agronegocio

Frango vivo sofre segunda forte baixa do ano em Minas Gerais

Frango vivo sofre segunda forte baixa do ano em Minas Gerais

Frango vivo comercializado em Minas Gerais sofreu a segunda e consecutiva redução de preço de 2019, sendo comercializado por R$2,60/kg

9:25 | 9 janeiro 2019
 

Na terça-feira 8, o frango vivo comercializado em Minas Gerais sofreu a segunda e consecutiva redução de preço de 2019, sendo comercializado por R$2,60/kg. Retrocedeu, assim, a um valor nominal quase 2% inferior ao de um ano atrás, já que na mesma data, em 2018, foi negociado por R$2,65/kg.

Nos últimos dias de 2018, o frango vivo mineiro experimentou valorização que – como se constata agora – teve curta duração: cotado a R$2,80/kg na véspera do Natal, em 26 de dezembro foi negociado por R$2,85/kg e, no dia seguinte, obteve nova alta de cinco centavos. Igualava-se, dessa forma, ao preço de referência vigente em São Paulo desde 13 de dezembro – R$2,90/kg.

Mas a firmeza de mercado então observada extinguiu-se com a chegada do Ano Novo. Tanto que a primeira semana de janeiro foi encerrada com o mercado já calmo. Na última segunda-feira, 7, ocorreu a primeira baixa, de 20 centavos. A de ontem ficou em 10 centavos, levando a cotação do produto a um valor quase 19% inferior ao de 60 dias atrás (R$3,20/kg em 8 de novembro de 2018).

No interior paulista a cotação de R$2,90/kg permanece imutável há quase 30 dias. Mas continua sendo simples referência, pois boa parte do produto ofertado – em especial aquele sem destinação previamente definida – ainda se sujeita a descontos. Que haviam sofrido redução nos últimos dias, mas que voltaram a se ampliar, podendo chegar a 50 centavos. Quer dizer: há negócios por até R$2,40/kg no interior paulista.

Não deixa de ser oportuno observar que, em relação aos valores praticados dois anos atrás, na mesma data, o produto paulista registra valorização de apenas 3,5%, enquanto o mineiro, em pior situação, apresenta depreciação superior a 13%. Isto, enquanto o milho alcança preço mais de 10% superior ao de idêntico período de 2017.

Fonte: agrolink

Postado em: 9:25 | 9 janeiro 2019
 
É permitida a reprodução ou divulgação, em outros órgãos de comunicação, de notícias ou artigos publicados nesta website, desde que expressamente citada a fonte, ficando aquele que desatender a esta determinação sujeito às sanções previstas na Lei nº 5.259/1967 (Lei de Imprensa) feed
Jovem Sul Comunicações LTDA | Rua Quinze, Nº 537 | Centro | CEP 79560-000 | Chapadão do Sul (MS)
(67) 3562-2500 (67) 9 9967-0034 | CNPJ 03.719.704/0001-07
Desenvolvido por: Mais Empresas | Angeli Comunicações