Chapadão do Sul, 21 de Novembro de 2017

Cadastre-se Envie sua notícia JNT Digital Busca no site

Jovem Sul News

Você está em: Página Inicial Agronegocio

Embrapa faz plástico biodegradável desde o caroço de manga

Embrapa faz plástico biodegradável desde o caroço de manga

Caroço de manga deixará de ser desperdiçado

17:03 | 14 novembro 2017
 

A Embrapa Agroindústria de Alimentos, que tem sede no Rio de Janeiro, coordenou um desafio com 30 pesquisadores para aplicar nanotecnologia para desenvolver biomateriais de alto valor agregado com a utilização de resíduos industriais. Depois de três anos, o resultado foi um tipo de plástico biodegradável feito a partir da amêndoa do caroço de manga em mistura com o biopolímero natural. O plástico pode ser aplicado na composição de embalagens de alimentos e no setor de saúde para compor matrizes ósseas.

A estatal considera que está dado o primeiro passo para o desenvolvimento de um plástico biodegradável comercial que usa como matéria-prima resíduos da indústria alimentícia. O Brasil é um dos maiores produtores mundiais de manga com mais de um milhão de toneladas por ano, mas o descarte de caroços chega a até 60% desse volume.

O objetivo da pesquisa foi agregar valor aos resíduos. “O desenvolvimento de novos biocompósitos pode ser um caminho viável para o aproveitamento de coprodutos industriais na fabricação de itens inovadores e sustentáveis”, afirma a pesquisadora da Embrapa Edla Lima. Foram realizados mais de uma centena de testes, utilizando técnicas de casting, extrusão, injeção e moldagem por compressão. Diferentes concentrações de amêndoa e da casca do caroço da manga como carga de reforço em biopolímeros comerciais, adicionados ou não de quatro diferentes tipos de argilominerais, que foram concentrados e organofilizados foram avaliadas. Para analisar a resistência, cristalinidade e elasticidade, os materiais resultantes foram observados em calorimetria de varredura diferencial, análise termogravimétrica, microscopia eletrônica de varredura associado à espectrometria de energia dispersiva de Raios-X, ressonância magnética, Difratometria de Raios-X, e infravermelho.

De acordo com os pesquisadores, já foram obtidos bons resultados na obtenção de biocompósitos. Eles apresentaram maior interação intermolecular, o que promoveu maior dispersão e distribuição do material de enchimento. “As análises demonstraram boa adesão, dispersão e distribuição em amostras com PHBV. Os resultados indicam que a fabricação de biocompósitos pode ser uma estratégia para a reutilização desse subproduto agroindustrial”, ressalta a professora e pesquisadora Rossana Thiré, do Laboratório de Biopolímeros da Engenharia Metalúrgica e de Materiais da Coppe/UFRJ.

A equipe de pesquisa contou com profissionais da Embrapa Agroindústria de Alimentos, Embrapa Instrumentação (SP), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e Centro de Tecnologia Mineral.
Fonte : agrolink
Postado em: 17:03 | 14 novembro 2017
 
É permitida a reprodução ou divulgação, em outros órgãos de comunicação, de notícias ou artigos publicados nesta website, desde que expressamente citada a fonte, ficando aquele que desatender a esta determinação sujeito às sanções previstas na Lei nº 5.259/1967 (Lei de Imprensa) feed
Jovem Sul Comunicações LTDA | Rua Quinze, Nº 537 | Centro | CEP 79560-000 | Chapadão do Sul (MS)
(67) 3562-2500 (67) 9 9967-0034 | CNPJ 03.719.704/0001-07
Desenvolvido por: Mais Empresas | Angeli Comunicações